Cuidado: frágeis (e não fracos!)

frageis

Olha só, não tem necessidade de confundir fragilidade com fraqueza. São sinônimos segundo o dicionário, no entanto, no comportamento, apresentam diferenças essenciais. Ser frágil não é, necessariamente, ser fraco. Fragilidade tem muito mais a ver com delicadeza e nobreza do que com a fraqueza propriamente dita. São como as caixas de papelão, com o aviso: “Cuidado: frágil”. Entende-se que o conteúdo é de extrema importância, portanto, exige-se cuidado no manuseio, delicadeza ao lidar e atenção ao se transportar.

Caixas de papelão guardam conteúdos nobres e, por isso, frágeis. São metáforas perfeitas para esse texto. Assim como as caixas, algumas pessoas, em suas “embalagens” demonstram-se frágeis, porém, abrigam um conteúdo rico e delicado. Ao se mostrarem sensíveis aos olhos dos outros, são vistas, na maioria das vezes, como fracas. São consideradas suscetíveis e manipuláveis. Solitárias e depressivas.  Exageradas, cheias de frescura e de mimimi.

Mas não, são apenas frágeis. Importam-se, contagiam-se, doam-se. Sofrem com intensidade, mas também vibram de felicidade. São sensitivas e precisam de um cuidado maior no manuseio. Apreciam a delicadeza e o trato com os sentimentos. Têm o coração como guia e dão a ele o respeito que merece. Sabem que palavras tem poder e têm cuidado ao lidar com elas. Acima de tudo, respeitam o próximo porque também exigem o mesmo.

Em nenhum momento são fracas. Pelo contrário, são ainda mais fortes por manterem-se firmes diante de uma sociedade que engradece os fortes e os inabaláveis. Diante de um discurso, onde o significado de fortaleça se resume a falso bom-humor, sucesso e aparências. Para a maioria, lágrimas são sinais de fraqueza. Para os frágeis, elas são amigas inseparáveis. Na alegria ou na tristeza, estarão lá, sempre presentes. São demonstrações explícitas de sentimento à flor-da-pele.

Diante de uma sociedade que não os compreende, os frágeis lutam constantemente para defenderem o real motivo pelo que vivem: o sentir. Assim como as caixas, eles só mostram o seu conteúdo a quem realmente mereça. Exibem o aviso de fragilidade, para alertar e proteger o que há de mais precioso dentro deles: o coração.

Leia mais textos da colaboradora em Sem Travas na Língua. Curta também a fanpage.

Isabela Nicastro

About Isabela Nicastro

Capricorniana, 23 anos, jornalista. Apaixonada por mar, cães e cafés da tarde em família. Não dispenso bacon e muito menos uma boa história. Meu coração é intenso e grita mais do que a razão. Tenho o sentimento como guia e a escrita como ferramenta. Conheça mais de mim e dos meus textos no Sem Travas na Língua (www.semtravasnalingua.com.br).

One thought on “Cuidado: frágeis (e não fracos!)

  1. jessica

    Nossa ameiii

O que achou? Vamos trocar uma ideia! Sua opinião é muito importante pra nós. <3