Quando o fim vira começo.

É engraçado começar esse texto assim, tão livre, tão solta, tão dona do mundo. Me sinto meio nostálgica até em pensar sobre tudo que aconteceu. É, me joguei no mundão. Desde que cê soltou a minha mão e decidiu que seria melhor pra você seguir sozinho na sua paz, me descobri. Me reinventei. Havia séculos…

Continue lendo...

Apagando as lembranças

Hoje peguei meu notebook e deletei todas as nossas fotos, mensagens de e-mail, rasguei cartas, coloquei tudo que eu tinha de você dentro de uma caixa e joguei fora. Já não sei se vai surtir algum efeito, mas estou tentando me livrar de todas as lembranças materiais de você, querendo pôr um fim nisso tudo,…

Continue lendo...

Sobre mudanças.

Dia desses, voltando pra casa e refletindo sobre a vida, lembrei singelamente dos planos que a gente fazia. De como tínhamos praticamente os mesmos sonhos e como queríamos construir nossa casa. Ainda lembro que queríamos o teto engessado com aquelas luzes ambiente para dar um clima na nossa sala, com aquelas cortinas compridas. Meio cafona…

Continue lendo...

Como ser uma mulher “namorável”.

Sempre me espanto quando me deparo com os paradigmas que uma mulher direita – mais conhecida como “mulher para namorar”- deve seguir. Gente, sério! Esses supostos manuscritos, no mínimo, foram encontrados nas cavernas a margem do Mar Morto que, se duvidar, na época estava vivíssimo e padeceu de depressão. Até já escrevi sobre isso graças…

Continue lendo...

Ana Clara e Rodrigo.

Essa é a história de Ana Clara e Rodrigo, mas não é uma história pra quem acredita em destino. Dentre todas as cidades, dentre todos centros empresariais, dentre todas as agências de publicidade, dentre todas os andares, dentre todos os setores, dentre todas as salas, Ana Clara, em seu primeiro dia, sentou na mesa ao…

Continue lendo...