Todo mundo tem bagagem.

Todo mundo tem bagagem. Bagagem não é só o acúmulo de coisas adquiridas com o tempo, bagagem também é o peso do que nunca foi dito, são palavras atiradas contra aos outros que machucaram sua própria consciência. Bagagem é flashback sem pedir licença. Bagagem é viver no passado e morrer de saudade. Bagagem é “e se”. Bagagem é procurar algum pretexto pra puxar assunto. Bagagem é querer muito e, ainda assim, não querer mais. Bagagem é o perdão que esperou um pedido de desculpas pra ser dado. Bagagem é seguir em frente e, às vezes, olhar pra trás. Bagagem é o que aprendeu com seus pais somado ao que a vida lhe ensinou. Bagagem é já ter tido o coração partido e lembrar-se avidamente o quanto isso dói. Bagagem é já ter se apaixonado perdidamente e temer o quanto isso lhe deixa vulnerável.

Sou o tipo de pessoa que evita listar os defeitos das pessoas que gosta. Faço isso porque eu sei que eles existem, mas não vejo a necessidade de ficar lembrando-os a mim mesma, principalmente, quando não posso fazer nada a respeito. Somos humanos, a verdade é essa, e quando amamos alguém tendemos a enaltecê-lo, às vezes até tratá-lo como uma divindade. A gente esquece que aquela pessoa por melhor que seja pra gente tem seus próprios erros, traumas, medos e arrependimentos que, talvez, nunca cheguemos a conhecer. Ou conheceremos aos poucos. Não sei o que assusta mais, sinceramente.

Verdade seja dita: o peso da bagagem de cada um só cabe a si mesmo. Ainda que nos ponhamos no lugar um dos outros não temos como saber de cor e salteado seu repertório. Eis o porquê de não termos o direito de julgar. Eis o porquê devemos ser gentis uns com os outros. Não há ninguém que não tenha passado, não há ninguém que, em par com a solidão, não se pegue pensando – e se martirizando – sobre algo que ficou para trás. Eis o porquê você não pode se deixar definir por sua bagagem. Maturidade é não se deixar definir por sua bagagem, é não apontar o dedo para o outro e preocupar-se mais com o reflexo do próprio espelho.

Temos que respeitar as decisões que não conseguimos compreender, e as escolhas que nos parecem erradas porque não podemos interferir tão diretamente no aprendizado e crescimento do outro. Eu sei, eu também queria poder dizer aonde eu vejo que alguém está vacilando (baseado nas minhas próprias experiências, inclusive) e isso ser o suficiente pra que ela mude ou procure melhorar, mas isso está além da nossa vontade, do nosso direito. Algumas pessoas precisam mesmo quebrar a cara pra aprender, pra amadurecer. Não cabe a nós determinar quando isso deva acontecer. E vale ressaltar que essas mesmas expectativas caem sob nós. Às vezes, nos sentimentos incapazes de agradar e, às vezes, sentimos que não merecemos estar com alguém assim. Por isso o excesso de cobrança em prol de uma perfeição inexistente cada um se torna desgastante com o tempo.

Todo mundo tem bagagem, e em cada uma cabe o afeto e o delírio de ser o que é. Talvez, a gente só precise de alguém que não tenha medo de abri-la.

 

 

About Samantha

Editora de conteúdo e redatora do Bendita Cuca!, e colunista para o Isabela Freitas e Superela. E Youtuber nas horas vagas. Sobrevivente da agonizante liberdade de pensar demais. Acredita que todo mundo merece um grande amor para chamar de próprio e escreve para se livrar da loucura completa.

O que achou? Vamos trocar uma ideia! Sua opinião é muito importante pra nós. <3