Metades da laranja são apenas metades

Por muito tempo, eu me sentia incompleta. Tinha a sensação de que faltava algo. A rotina diária já não tinha mais tanta graça, faltava emoção, adrenalina e experiências. E aí, quando estava me relacionando com alguém, a vida parecia agitar-se naturalmente. Encontros, expectativas, desejos. Havia uma fuga da realidade que eu depositava exclusivamente no outro…

Continue lendo...

A verdade sobre os recomeços.

Eu sou a favor dos recomeços, mas o problema é que é impossível se começar do zero outra vez. Não temos como esquecer nossas inseguranças, nossos medos e as coisas que nos magoaram. A gente até perdoa, mas esquecer é bem mais complicado. Não que a confiança não possa ser restabelecida, porque pode, mas acontece…

Continue lendo...

Não espere perder para valorizar.

Andei pensando se gostava mesmo dele, mas sempre tive uma dificuldade enorme de reconhecer sentimentos no ato, sabe? Às vezes, até acredito que eles não existam, mas quando sou confrontada com a perda, ou pior, com a simples ideia da perda, e sinto todo meu corpo estremecer e uma pontada fina me atingir o peito,…

Continue lendo...

Venha para somar ou suma daqui.

Eu não vou te cobrar nada. Não posso exigir o que você não quiser me dar, pois consideração não se pede e respeito não se impõe. Não vou tentar decorar sua rotina, nem ansiar pela hora em que vier falar comigo. Vou contornar os assuntos que fizerem fronteira com minha insegurança e aceitar que para…

Continue lendo...

Mira na Charlotte e acerta na Samantha.

Queria só começar dizendo que não me surpreendo de nunca ter havido na história da televisão uma personagem chamada Samantha que fosse santinha. Coincidência? Destino? Minha mãe tentando me pregar uma peça? Bom, não sei. Entendo isso como fatos. Tecnicamente falando, sendo assim, posso não me responsabilizar por minhas atitudes, certo? Não? Ok. Vamos começar…

Continue lendo...

Ela era dela.

Ela era diferente, tinha o sal que faltava nas doces mulheres ao seu redor. Mas de doce entendia bem: do chocolate ao lisérgico. No entanto, não havia ácido lhe fizesse enxergar o mundo tão colorido, tão distorcido, quanto amor que lhe corroía o peito. Era dessas que amam demais: pessoas, lugares, recortes de revistas, casquinhas…

Continue lendo...