Deus que me livre de um gostar assim.

Nunca fui uma mulher louca. Quer dizer, não para relacionamentos, na verdade. Talvez nos demais quesitos eu não possa ter tanta convicção. Acontece que a minha adolescência, se falarmos somente dos derradeiros amores – na maioria platônicos, começando pelo Leonardo Dicaprio em Titanic, passando pelos Hanson e o vocalista do The Calling cujo o nome eu  nunca…

Continue lendo...