O cara certo é quem te queira tanto quanto você o quer.

tumblr_lyuadkX36T1qmyvlfo1_500

À medida que amadurecemos fazemos escolhas mais sensatas, e nos cobramos uma estabilidade (emocional, financeira, profissional) inalcançável. Queremos ser acerto, correto, direito. Enrijecemos nossas ideologias e procuramos quem, muitas vezes, reforce nossas opiniões, e não nos acrescente divergência ou confronto. Até certo ponto, isso pode ser uma mera compatibilidade de interesses, mas também pode ser pura covardia. Nem sempre o que julgamos como o cara certo para nós, de fato, seja.

Estamos em constante mudança, travando batalhas internas pra nos reconhecer todos os dias. Às vezes, o espelho não reflete o que vemos, nos desesperamos e buscamos mais de nós mesmos além do que a vista alcança. Talvez, você não perceba isso nas pessoas ao seu redor porque, assim como você, cada uma delas tenta camuflar suas dores com gargalhas histéricas e sutis abraços prolongados.

Se um dos dois pede um tempo, o outro deve respeitar. Se ambos não estiverem dispostos a solucionar os conflitos juntos de nada vale a tentativa, mesmo que persistente, de um só. Muitas vezes, o hiato entre uma história funciona como um divisor de águas em que você percebe do que sente falta, do que se preocupava à toa, do que construíam juntos, principalmente em relações mais longas. Por exemplo, quando é saudade e quando é costume, quando é drama e quando é dor, quando é apego e quando é carinho.

Se os dois não estiverem na mesma página, não tem relação. Se você não respeita o tempo pedido (mesmo que não veja motivos para que ele aconteça) você está sendo uma âncora para que possam evoluir porque por mais que sua boa vontade seja insistir, conversar, se resolver, enquanto um não quiser, não estiver disposto e não pensar da mesma forma, não vão chegar a um acerto de contas. Às vezes, a gente tem que abrir mão do que achamos certo para nós pelo o que achamos adequado para os dois, entende? Isso é normal. Amor é complacente, mas sobretudo, empático. Se limitamos nossa capacidade de compreensão sobre as necessidades do outro nos tornamos egoístas, e até por vezes, orgulhosos. Fechamos nossos olhos para o infinito que nos preenche por dentro, quando na verdade deveríamos nos esforçar para enxergar os valores que caminham lado a lado com nossas perspectivas, planos e ambições de um futuro a dois.

Me cite um casal que apenas por se gostar demais permaneceu em harmonia por tempo o bastante? Tudo dar certo por um período, mas para uma vida, uma história, e principalmente “para sempre”, o objetivo muda. Se não se para pra pensar onde está indo, não se aprecia a caminhada. Qualquer lugar serve pra quem não sabe o que quer. O cara certo, nada mais é, do que aquele disposto. Não tem estereótipo de príncipe encantado, e talvez, sequer consiga seguir as normas de etiqueta à mesa. É aquele que vai falar algumas bobagens que te tirem do sério uma vez ou outra, assim como, algumas amenidades que lhe façam sentir bem. É aquele que vai errar, assim como você, e nem sempre encarar seu erro de frente, mas vai se importar o suficiente pra tentar consertá-lo. Aliás, é aquele cara que se importa com você, com suas vontades, com seus planos e, principalmente, se importa de estar incluso neles, na sua vida.

O cara certo não tem nada de especial, sabia? Se você busca um sinal divino da sua presença, vai deixá-lo passar despercebido, até porque, ele também precisa que você o queira a ponto de compreendê-lo em seus desacertos e afetos. Portanto, se quer um bom conselho, pare de se cobrar uma perfeição irredutível. Não é o quanto conquistamos que determina nossa força, mas o quanto conseguimos nos levantar após o fracasso. Somos cacos que encaixam suas falhas para compor o acerto de um coração inteiro. Que o tempo dado seja por respeito, e não por medo. Que toda falta seja de saudade, e não comodismo. Que todo recomeço seja por amor, e não carência. Que todo ponto final seja vírgula em uma história que faz dos conflitos, reticências, e não o fim.

sahsilvany

About Samantha

Editora de conteúdo e redatora do Bendita Cuca!, e colunista para o Isabela Freitas e Superela. E Youtuber nas horas vagas. Sobrevivente da agonizante liberdade de pensar demais. Acredita que todo mundo merece um grande amor para chamar de próprio e escreve para se livrar da loucura completa.

O que achou? Vamos trocar uma ideia! Sua opinião é muito importante pra nós. <3