Maldita Sorte: crie gatos, mas não crie expectativas.

Esses dias me deparei com a história de uma garota que conheceu um garoto e assim como toda história de amor, é também um conto de ficção. Amor não é sobre romance, é sobre expectativa que são basicamente as mentiras que você conta a si mesmo, antes que alguém te bombardeie com a verdade. Por isso, geralmente, pessoas que nutrem muita expectativa sobre namoro, trabalho, calça jeans apertada, o suposto salvador que virá pra terra, acabam por odiar a verdade e acham que ela, sim, é a culpada de sofrerem. Ou pensarem que estão sofrendo. Porque, na realidade, como podem se martirizar por algo que nunca existiu? Relacionamento é como Papai Noel, você acredita fielmente nele até que descubra que não passou de uma farsa. Não que não tenham te avisado antes, não que você sequer já não tenha se questionado sobre sua veracidade, mas simplesmente você precisa ver pra crer. É quase uma esperança, exceto que ter esperança é uma coisa boa, que te motiva, impulsiona. Mas ter expectativa é como uma porção de borboletas africanas frenéticas no seu estômago que vão te consumindo aos poucos e sem que você perceba, se torna um colecionador de decepções.

Aí que entra a história de L, que vocês leem a seguir:

No verão passado, conheci um garoto na praia numa roda de amigos, mas eu nem tinha notado ele. Eu estava conversando com um amigo dele e como sou muito espontânea e adoro conhecer gente nova, fui puxando papo e fiz uma brincadeira disse que ele seria um guri certo para eu namorar. Ele riu e o papo foi fluindo. Uma hora ele sai de perto e quando volta me agarra na frente de todo mundo e me dá um beijo. Eu fiquei totalmente sem reação, depois disso começamos a conversar e ficamos juntos a noite inteira, aí ele me levou pra casa e no outro dia saímos de novo e fomos ficando. No domingo era o nosso ”último dia”, passamos o dia inteiro juntos e na segunda-feira os dois voltariam pra casa, mas passamos a semana inteira conversando e trocando sms, e no outro final de semana decidimos nós ver novamente, mas não foi tão bom quanto antes. Na segunda-feira ele me chamou no facebook e disse pra gente parar de ficar porque não ia dar certo, porque a gente não estava na mesma sintonia. Confesso que quando eu estou com alguém fico muito em cima, mas é sem perceber, simplesmente porque o meu espirito de proteção é muito grande, mas eu não quis deixar por menos, liguei pra ele de noite e disse pra gente tentar mais uma vez  a”ficar sem compromisso”. No outro fim de semana, fui na casa dele pra fazer um almoço pra gente, até ai tudo bem… até que ele sentou no sofá e disse pra mim que daquele jeito não estava dando mais, mas que ele gostava de mim e queria continuar sendo o meu amigo e não perder o contato, tanto é que no verão a gente é obrigado a se ver, ficamos na mesma praia e os amigos são os mesmos. Eu fiquei muito chateada mas tive que aceitar, ele me levou pra casa e de noite começou a ligar e me disse pra eu não ficar chateada, mas eu não deixei por menos e passei um bom tempo ligando e procurando ele. Simplesmente, um final de semana ele me liga bêbado dizendo que me amava e sentia muito a minha falta, confesso que fiquei balançada e ficamos nessa um bom tempo. Eu o procurava que nem uma doida, até fiz ele ir ao aniversário da minha cunhada. Ele foi e me tratou de um jeito estranho, depois disso desencanei um pouco. Mas ele quase sempre me procurava. No feriado de novembro eu pedi uma carona pra ir à praia, ele me deu e foi bem estranho, a gente mal se falou. Na volta foi ainda mais estranho, não trocamos uma palavra. Eu desencanei total e ele começou a me procurar mais. Mas sou dessas que sempre dá moral e responde rápido. Chegou o final do ano e vim passar a virada na praia, aí na sexta dia 27 ele me convidou pra gente sair aqui e eu fui. Ele fez questão de me deixar constrangida para me abraçar e dizer que era brincadeira e num desses abraços ele me beijou e recuei. Mas ele sabe que eu gostava dele, mexeu com meus sentimentos e acabei cedendo. No outro dia, mal olhou pro meu rosto e assim por diante só me evitando e eu procurando, até que eu cansei e já estamos um mês sem se falar e nem se ver por aqui.

Querida L.,

Bom, primeiro, o fato de você ter se apegado rápido a ele foi um tanto por uma carência que você deve sentir. Talvez, até esconda de si mesma ou se encha de desculpas e memórias de momentos bons pra justificar a forma com que você se sentiu com ele. Cara, posso te dar um conselho? Carência não é qualidade. Pra ninguém. Todo mundo ama pessoas carinhosas, protetoras, contanto que saibam respeitar o espaço e a liberdade dos outros, mas pessoas carentes são quase crazy-obcecadas pelo outro. Isso, provavelmente, é um vazio em algum outro aspecto da sua vida que, talvez, não tenha relação alguma com essas questões amorosas. Sabe o que eu penso? Só sofre por amor, quem não sofre por dinheiro! Tudo bem, sei que soa amargo, mas o que eu realmente quero dizer é que você tem que se manter ocupada, mente trabalhando, corpo são, dia preenchido, semana produtiva. Honestamente, todo mundo tem problemas. É praticamente impossível “ser feliz” em tudo, mas quer saber? Tudo é muito coisa. Às vezes, essas pessoas que aparecem nas nossas vidas e nos fazem pensar “Putz, É ELE! EU SEI QUE É.”, aquele que você pensa que vai mudar sua rotina e que você cria expectativas (como você mesmo disse na brincadeira pra ele que seria seu namorado, bom, você não diria isso pra um flanelinha com um dente só na boca, né? Tem verdade nesse jogo!) são, na verdade, ESCADAS. São o quase, são o meio, são mornas, são o velho “em cima do muro”. Isso ninguém te conta e você, sinceramente, vai levar um tempo pra perceber.

Alguns romances não existem e nem nunca existiram, não passam da nossa própria vontade aliada ao nosso desespero (Sim, eu sou desesperada pra ter um marido. Que se dane, mundo!) e a insegurança de si mesma. Junta tudo isso num dia de TPM pra você ver a MERDA que vai dar! Nem queira, menina, nem queira! O mais importante disso tudo é que quem quer, dar um jeito e se ele não viu jeito a ser dado é porque claramente não está na mesma página que você. E sabe aquilo que dizem sobre “se ele te ligar bêbado é porque é seu”? Cara, isso é uma mentira das brabas! Se ele te ligar bêbado é porque a festa está ruim, não levou ninguém pra dormir com ele ou os amigos pararam de zuar com ele.

Não acredite em tudo que ouvir. Peça por atitudes, gestos. Se tudo que precisássemos fossem palavras casaríamos com livros, não é mesmo? Quem é mais romântico e compreensivo que o Nicholas Sparks, por exemplo? Acontece que pessoas reais precisam de toque, de olho no olho, de pele, de declarações públicas de afeto e fotos no instagram, por mais fútil e bobo que possa parecer. A verdade é que todo mundo gosta dessa “babação”, de exibir esse amor (por muitas vezes até de forma forçada e falsa) como um troféu ao mundo, às recalcadas, ao teu ex e as ex do teu ex. Competividade amorosa é o capitalismo do romance; você finge que detesta, que é contra, que viveria melhor sem. Mas obviamente faz questão de fazer parte.

Enfim, o jogo da conquista (embora eu o despreze) sempre funciona e, inclusive, já escrevi sobre ele. Pessoas amam viver de joguinhos e você tem mesmo que fazer a linha dura, não responder, ignorar, mostrar desinteresse. Eles sempre acabam vindo atrás… Mas o que eu realmente quero que você se pergunte hoje é se VALE A PENA estar com alguém que se conquista jogando. Alguém que vai manipular os sentimentos, as respostas e até mesmo a espontaneidade? Alguém que vai ser, na verdade, um mero fantoche? Menos é mais. Procure alguém com quem pode ser você mesma e que vai ficar enlouquecido com isso. Mas só depois que tiver tido a mais alucinante, divertida e incrível vida CONSIGO MESMA. Porque se você não souber quem é, não vai ter o que mostrar a ninguém e, nesse caso, o fantoche será você. Você merece mais.

Espero ter te ajudado em algo ou te confundido mais, pelo menos. O que importa é participar!

Com amor,

Samantha.

sahsilvany

About Samantha

Editora de conteúdo e redatora do Bendita Cuca!, e colunista para o Isabela Freitas e Superela. E Youtuber nas horas vagas. Sobrevivente da agonizante liberdade de pensar demais. Acredita que todo mundo merece um grande amor para chamar de próprio e escreve para se livrar da loucura completa.

O que achou? Vamos trocar uma ideia! Sua opinião é muito importante pra nós. <3