Eu queria que você tivesse ficado.

Eu fiz de tudo. Absolutamente tudo pra manter você na minha vida. Nós pregávamos isso, tínhamos respeito, carinho, parceria e afeto um pelo outro além do amor genuíno que sentíamos. Eu implorei pra você ficar. Sempre fui madura e firme o suficiente pra ter você na minha vida mesmo após o nosso fim. Achava que estávamos fechados um com o outro. Coloquei você no pedestal mais alto da minha vida. Nada poderia abalar isso. Nossa história estava preservada, nossas lembranças intactas e eu tinha plena certeza que você me acompanharia até o fim.

E como aquelas histórias surreais de se acreditar, você sumiu. Mentiu pra mim. Me omitiu coisas. Forçou uma barra. E quando tudo ruiu, quando eu descobri, você foi covarde o suficiente pra me virar as costas. Logo eu. Aquela que sempre esteve ao seu lado, na boa e na ruim, nas batalhas diárias te incentivando, nos conflitos internos, sempre acreditando em você, torcendo, te desejando o melhor, e zelando pela tua existência.

Foi isso que me tirou o chão: eu daria minha vida por você, e na primeira crise de carência misturada com machismo e falta de caráter, você me magoa. E acha que vai ficar tudo bem, não pensa um segundo em mim e continua com essa escolha de me machucar, de dilacerar me peito. E eu que amava contar nossa história pra pessoas, que só tinha elogios e coisas boas pra contar, hoje me pergunto como você teve sangue frio o suficiente pra cortar nosso laço e seguir tranquilo.

Daquele cara empolgado com a vida, que me transbordava confiança e amor, proteção e consideração eu não vejo mais nem o rastro. Até isso cê quis apagar. Me bloquear, deletar meu contato como se isso fosse me apagar da tua vida e da tua família. Eu achava que a gente seria de verdade até depois do fim, e que o mundo trataria de nos colocar juntos ao final. E eu me sentia tranquila, sabia que acordaria com você na minha vida me dando bom dia. Olhando pra trás eu nunca imaginaria que logo você poderia ser tão leviano e mal agradecido.

E quer saber? Não consigo te odiar. Nem se eu quisesse. Só consigo te desejar coisas boas, muita luz e sabedoria pra que um dia quem sabe cê se dê conta da burrada histórica que fez. E que tenha ao menos a decência de assumir o erro. E mesmo que eu ainda sinta sua falta e isso me custe umas lágrimas por semana, eu me sinto orgulhosa, por não me igualar a vocês. Por nunca ter forçado a barra chamando atenção das pessoas. Por nunca ter fingido ser alguém que eu não era. Por nunca ter feito nada além de ser sincera comigo e com as pessoas que me rodeavam. Maldade, e egoísmo nunca farão parte da minha vida. E eu sigo querendo me doar sempre pras pessoas.

Eu sou assim: intensa da cabeça aos pés. Mas, eu nunca passaria por cima de ninguém por isso.

About Vitória Garré

Libriana no extremo da palavra. É completamente viciada em doce e chimarrão. Encontrou na escrita uma forma de se libertar, e acredita tanto nos seus sonhos, que escreveu na pele que eles nunca morrem, só pra ela sempre lembrar.

One thought on “Eu queria que você tivesse ficado.

  1. Gizely

    Nossa me identifiquei com esse texto… Tudo que ta passando cmg agora …

O que achou? Vamos trocar uma ideia! Sua opinião é muito importante pra nós. <3