Eu, minha amiga e meu ex.

tumblr_m6v620dqdo1rzvltxo1_1280_largeSempre achei absurda a ideia de ficar com um ex-namorado de qualquer amiga minha. Era como um código de conduta moral da amizade que eu estaria traindo. Uma amiga de verdade não faz isso, certo? Se não tem consideração pela história deles (porque às vezes sequer conheceu o dito cujo), tem que ter pela amizade. É o mínimo. Principalmente, quando o término foi doloroso, feridas ficaram abertas e cicatrizes ainda latejam ao se encontrarem. Respeito, essa era a palavra que eu usava como escudo. Quem respeita, não trai.

Estar do outro lado foi novidade para mim. Não soube como reagir ao ouvir minha amiga dizer que estava paquerando com meu ex. Eu nunca tinha pensado sobre o quanto isso poderia me incomodar, mas consideração não é algo que se cobra a alguém. Você não pode medir o que as pessoas sentem por você pela forma como você se sente por elas, aprendi isso. Consideração é relativo, embora ninguém queira admitir que não enxerga as prioridades dos outros tão bem quanto as suas. Aprendi isso também.

Então, eu estava basicamente sozinha nessa batalha invisível de interesses. Eu poderia ter reportado o acontecido a todas as minhas outras amigas para ouvir delas o mesmo conforto que eu já lhes dei um dia “Não acredito que ela fez isso! Como ela pôde? Que fura-olho!”. Mas não via como isso podia ser mais justo ou mais íntegro do que o que ela fez a mim. Quero dizer, ela foi honesta comigo ao admitir que estava se envolvendo, e eu que seria falsa com ela ao espalhar a história pelo meu ponto de vista. Eu poderia pensar que ela não foi minha amiga primeiro, e eu estava apenas dando o troco, mas não estamos mais na quinta série para justificar nossos erros através dos outros.

A diferença é justamente essa: maturidade. O mundo é uma cidade pequena, e pessoas com interesses em comum tendem a se encontrar com mais facilidade. Atração não pode ser comedida, embora, dar um passo adiante e tornar uma vontade real seja de inteira responsabilidade dos envolvidos. Ou seja, até então, eu pensava que se ela tivesse consideração por mim, mesmo que se sentisse atraída por ele, não ficaria. Mas por que ela não devia ficar, afinal de contas? Por que eu fazia questão de ser o pivô da separação de duas pessoas que poderiam ser felizes juntas? (Ou não. Mas só saberiam se tentassem).

A posse nos condena ao passado. Nos sentimos donos de alguém sem termos direito algum sobre isso. As pessoas não ficam umas com as outras porque foram adestradas. Ficam porque querem. Então, não se possui alguém, se conquista. E se vive intensamente por meses ou anos, dentre altos e baixos, até quando não restar mais uma virtude para sustentar a relação, e ela naturalmente chegar ao fim. É normal. Todo mundo passa por isso. Mesmo quem já lhe fez muito feliz, ao final, vai passar e você vai esquecer. Até quem já lhe fez muito mal também vai passar. O que em um determinado momento da nossa vida foi importante, não quer dizer que se torne insubstituível. Eu sei que como mulher temos quase uma necessidade de nos sentir especiais, principalmente após o término, mas carregar nas costas o peso de outras vidas é andar com passos arrastados e lentos. Tornar propositalmente sua caminhada desgastante.

Inconscientemente trazemos bagagens de relacionamentos anteriores para nos proteger dos próximos. Guardamos memórias, saudades e, principalmente, traumas. Imagine que quanto mais você viveu, mais teve o que colecionar. Às vezes, tudo que precisamos é nos desfazer das molduras do passado, pintar quadros de uma nova história. Eu não gostaria de estar com alguém que ainda sente-se dono da ex-namorada, portanto, por que eu insistiria em ser essa pessoa?

Nem sempre a vida nos surpreende de forma positiva. Geralmente, a gente leva umas boas bofetadas até compreender, mas se acostuma, e isso nos liberta. E então percebemos que o passado não nos afeta mais, não nos toca, não nos importa. Seguir em frente é sentir-se indiferente, e não amargurado. E respeito mesmo é entender o limite dos outros. Algumas pessoas não estão prontas para largar o osso, já outras, o entregam de mão beijada. Cada um tem seu tempo, aprendi isso. Quando você supera de verdade reduz aquela enorme bagagem em um caixinha guardada no fundo da gaveta. Representa uma parte da sua história que você não precisa mais pra se sentir completa. Aprendi isso também.

sahsilvany

About Samantha

Editora de conteúdo e redatora do Bendita Cuca!, e colunista para o Isabela Freitas e Superela. E Youtuber nas horas vagas. Sobrevivente da agonizante liberdade de pensar demais. Acredita que todo mundo merece um grande amor para chamar de próprio e escreve para se livrar da loucura completa.

3 thoughts on “Eu, minha amiga e meu ex.

  1. Gostei bastante do que você escreveu, acabei por me identificar muito com as suas palavras, não por ter passado por uma situação identifica a essa, mas simplesmente porque já assisti muitas amigas minhas, inclusive uma atualmente, a viver tudo isso.
    Sou da opinião que as pessoas não escolhem quem amam, no entanto se se trata de ex de amiga, a conversa é diferente, obviamente que a pessoa continua a não escolher se apaixonar, mas, a meu ver, podia ter evitado.
    Não é a apenas o ex da amiga que tem culpa, é também a suposta amiga, pois pode evitar os encontros, as mensagens, o começo do relacionamento por consideração à amiga.
    Beijinhos.
    https://mariacrescida.wordpress.com/

  2. Jaqueline Rapachi

    Abro o facebook e uma das primeiras matérias que eu vejo é esta. Será um aviso? Um recado do além? Será Deus me dando uma “dica”? Hahahaha, não sei, só sei que eu estou passando exatamente por isso. Ok, não é exatamente, mas sinto que minha amiga gostaria de ficar com meu ex. Ex que durante dois anos de relacionamento terminamos e voltamos umas 3x e a última não faz um mês (para deixar claro, amo ele ainda, sinto que é o amor da minha vida). Porém, sinto umas “arriadinhas” da parte dela. Meu ex tem várias tatuagens, tem um pouco de barba e ela sempre deixou bem claro o quanto gosta disso, fora o gosto dos dois que é super em comum. Fora uma vez também que meu ex pediu o whatzapp dela e não me explicou de imediato o motivo. Só que no meio disso tudo, ela está envolvida com um rapaz. Ela diz amar ele, só que não levo muita fé. Enfim, tenho medo de chegar e perguntar de uma vez de por todas QUAL É A REALIDADE, mas tenho mais medo ainda de parecer “a louca” e ela dizer “como você pode achar algo assim?”.
    Gostaria de uma ajudinha, se possível.
    Beijos, acompanho SEMPRE seu blog e seu canal no youtube.
    <3

    • Caramba, mas vamos com calma porque no texto eu deixo claro que segui em frente e que estando com outro, não vejo sentido de impedir meus ex e minhas amigas de serem felizes juntos. Porém, se eu NÃO tiver seguido em frente e, pior, se ela SOUBER é sa-ca-na-gem. Sério. Volto a dizer: eu nunca faria isso a uma amiga minha, a não, é claro, que ela não gostasse mais e, principalmente, soubesse e concordasse com meu envolvimento. Se eu a considerasse minha amiga mesmo, daquelas que faço questão da consideração (e não só uma conhecida ou colega de farra) eu diria que acho, no mínimo, estranho eles dois. E perguntaria se ela sente/sentiu alguma vez vontade de ficar com ele. Se depois de conversarem sobre isso, ela disser que realmente sente-se atraída, você tem que ser honesta quanto a isso te incomodar e torcer pra que ela respeite. Se ela disser que não, você tem que acreditar, afinal, amizade é acima de tudo confiança. Venha mais vezes por aqui! Beijoo!

O que achou? Vamos trocar uma ideia! Sua opinião é muito importante pra nós. <3