Libriana no extremo da palavra. É completamente viciada em doce e chimarrão. Encontrou na escrita uma forma de se libertar, e acredita tanto nos seus sonhos, que escreveu na pele que eles nunca morrem, só pra ela sempre lembrar.

Author Archives: Vitória Garré

Liberdade é o amor.

Faz praticamente um ano que deixei de conhecer você. Quase 365 dias de uma pessoa que eu desconheço. Um estranho. Alguém qualquer. Quase um ano que mudo a playlist quando começa a tocar alguma música que me lembre você, ou quem você foi um dia. Quase um ano de questionamentos que sei que nunca terão…

Continue lendo...

O amor continua.

Ainda lembro do fim de tarde no teu quarto. O Sol batendo no vidro e refletindo a gente ali, deitados na cama, apenas sentindo a respiração um do outro. Aqueles momentos em silêncio eram mágicos contigo. Os nossos verões foram de longe sem dúvida alguma os melhores da minha vida inteira. Quando toca a única…

Continue lendo...

Cicatriz.

Acabei de chegar do batizado daquela que seria nossa afilhada. Aquele laço tão bonito que tínhamos, aquele serzinho pequeno e cheio de amor que amávamos tanto. Tirei minha roupa, coloquei o pijama e mal deu tempo de tirar a maquiagem para as lágrimas rolarem. Sinto como se você tivesse morrido e eu tenha ficado com…

Continue lendo...

Desilusão.

Durante todo esse tempo, escrevi apenas coisas bonitas. Sempre achei mais genuíno botar em palavras os meus sentimentos perante a ti, e ao que fomos. Era automático. Pensava na gente com nostalgia e com saudade e as palavras fluíam. Milhões de pensamentos passavam pela minha cabeça e eu só me sentia privilegiada por sentir algo…

Continue lendo...

Quando o fim vira começo.

É engraçado começar esse texto assim, tão livre, tão solta, tão dona do mundo. Me sinto meio nostálgica até em pensar sobre tudo que aconteceu. É, me joguei no mundão. Desde que cê soltou a minha mão e decidiu que seria melhor pra você seguir sozinho na sua paz, me descobri. Me reinventei. Havia séculos…

Continue lendo...